Humusica

Humúsica (2012), MAM RJ – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

 

 

02

03

05

06

07

08

09

010

011

012

013

014

015

016

017

018

019

01

020

021

 

022

 

023

“Abandonei a faculdade de engenharia para criar minhocas. Muito me fascinou o poder alquímico desses anelídeos de transformar merda em húmus.” Neste momento começava também a trajetória artística de Cabelo, assumindo a criação como um processo de germinação e metamorfose. O artista aprende com as minhocas a fertilizar o mundo com a energia extraída das impurezas. O que interessa na sua obra tem muito a ver com a mobilização de forças produtivas.

Humúsica é uma exposição sobre tudo: desenho, performance, poesia, escultura, música. É uma exposição-instalação do Cabelo. E também do MC Minhoca e do DJ Esterco. Não há que se ater aos detalhes. Tudo é húmus (e música). Uma coisa se transforma e se fertiliza na outra. Metamorfose e ruído. Contaminações que fazem um elemento residual se tornar possibilidade plástica.

Na noite de abertura jovens dançarinos da periferia foram convidados pelo artista para a performance de abertura. Em 1965 os passistas da mangueira foram barrados no l; agora, seus “filhos” dos bailes funks são convidados para uma apresentação improvisada! O choque dissolveu-se ou o museu reinventou-se? Os dois talvez, sem que isso implique a neutralização de forças. Deslocamentos abrem linhas de fuga no interior da própria inserção institucional. O atrito instituinte se produz hoje no seio da negociação institucional. A ausência de um “fora” idealizável reinventa-se enquanto outras formas possíveis de estar dentro.

A obra acontece junto a uma temporalidade grávida de “agoras”. Obra-processo. Nada vem para o espaço expositivo já feito, mas se deixa instalar poética e plasticamente pelas novas relações constituídas em ato. “O funk é uma das manifestações mais autênticas, potentes e originais da cultura carioca e dá voz a uma parcela significativa e ainda bastante discriminada da sociedade. Mc Fininho surgiu para dar vazão aos funks que compunha e não tinham espaço no meu repertório. Identifico muito do meu processo criativo, da minha produção, com essa crueza, com o espírito do faça você mesmo, com as gírias, com a capacidade de samplear e de se apropriar sem a menor cerimônia. O que me interessa é justamente a manifestação dessa energia libertária, direta, que vai contra a assepsia e anemia reinantes.”

A poesia é o elemento germinador. A palavra vira carne e as letras garatujas e desenhos. As imagens não se fixam e o gesto é sangrado e sujo. Lixo e luxo. Natureza e cultura. Terra e pixel. O ateliê do Cabelo está em Copacabana, entre o morro e a praia, entre a confusão e a lentidão. São muitas temporalidades e um só espaço. Um presente contaminado, potente e caótico – como todo este universo poético que se põe em cena agora no l.

Cabe ressaltar que o caótico não está a serviço de uma improvisação estilizada. Não se trata de um maneirismo contemporâneo, mas de uma aposta no acontecer poético que brota de uma abertura do trabalho. A linguagem que vem a ser antes de tomar-se consciência dela e depois de um pôr-se na direção dela. A salinha escura é o espaço de interiorização do caos e de germina- ção de potencialidades poéticas. Projeções reba- tem em espelhos, deformam-se e reconfiguram- se através dos objetos e dos fragmentos. A placa “Desvio Obras” pendurada na entrada diz tudo pelo avesso: é no desvio que a obra nasce.

Luiz Camillo Osorio
Curador
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

  • 1 As citações do artista são parte de uma entrevista nossa realizada para o livro ABC, organizado por Adriano Pedrosa e Luisa Duarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.